22 junho 2017

Governo veta lei sobre desconto de 50% em pedágios para agricultores familiares

O governador Pedro Taques (PSDB) vetou o Projeto de Lei nº 141/2015 que propõe aos veículos de famílias que fazem parte de programas de agricultura familiar e empreendedor rural receberem um desconto de 50% nas tarifas de pedágio nas rodovias estaduais. O tucano justificou o veto total dizendo que o PL pode “abalar as contas do Estado de Mato Grosso”.
O projeto agora retornará para a Assembleia que poderá derrubar ou sancionar o veto do governador. “Cumpre lembrar que a desoneração do agricultor familiar e do empreendedor rural de 50% da tarifa de pedágio, certamente irá impactar os contratos de concessão firmados com as empresas que exploram o pedágio. Com a transformação da proposição em lei, deverá haver uma repactuação desses contratos, onerando o Estado”, argumenta o governador.
Taques ainda afirma que o PL afronta a Constituição Federal e a separação dos poderes, já que o Legislativo, ao tentar atuar na gestão de contratos administrativos de concessões, estaria tentando substituir funções que são do Executivo. 
Projeto de Lei
PL 141/2015 é de autoria do deputado Domingos Fraga (PSD) e aguardava a sanção governamental desde 25 de maio. O argumento principal da normativa é que o tributo cobrado nas rodovias interfere diretamente na renda final das famílias de pequenos agricultores e empreendedores rurais, contudo, já justificativa o deputado não traz qual a porcentagem desse impacto.
O texto do PL, em seu artigo 2º, pontua que “para a expedição da autorização de isenção, os beneficiários deverão comprovar a condição de agricultor familiar e empreendedor familiar e cadastrar-se previamente junto à concessionária, com comprovante de residência, e apresentação do documento do veículo e Licenciamento anual em situação regular”.
O PL ainda aponta que sempre que os agricultores passarem pelas praças de pedágios, eles deveriam apresentar esse documento emitido pela concessionária. Caso a pessoa não apresente a isenção do veículo, o motorista ficará sujeito ao pagamento integral da tarifa.
Fonte:http://www.rdnews.com.br

12 junho 2017

Pedágio do distrito Bueno de Andrada tem reajuste de 33,3% e vai a R$ 4 em julho



Pedágio do distrito Bueno de Andrada tem reajuste de 33,3% e vai a R$ 4 em julho
O valor da tarifa no pedágio municipal da estrada vicinal Graciano da Ressurreição Affonso (ARA-080), que liga as cidades de Araraquara, Matão e o distrito de Bueno de Andrada (SP), terá reajuste de 33,3%, subindo de R$ 3 para R$ 4 a partir do dia 1º de julho. O objetivo do aumento é fazer obras para segurança da via.
O coordenador de mobilidade urbana, Nilson Carneiro, explicou que as obras se referem a construção de baias, rotatórias, defensas metálicas, sinalização, limpeza. Além das licitações para limpeza e manutenção do acostamento, recapeamento, sinalização horizontal, troca de equipamentos de controle de pedágio e geradores para possíveis quedas de energia.
Além de mais segurança, as obras devem regular e inibir tráfego de caminhões de grande porte. A tarifa será cobrada somente no sentido único Araraquara - Matão. Os veículos que trafegam no sentido contrário são isentos do pagamento.
Fonte:.ibitingadiario.com/noticia

07 junho 2017

Após fechamento de desvio, Tarifa Zero vai protestar em praça de pedágio

Depois que a Concessionária de Rodovias Viapar bloqueou o acesso sem pedágio que liga Rolândia e Arapongas, na última segunda-feira (5), o Movimento Tarifa Zero promete nova pressão. Os integrantes desse grupo vão protestar no próximo sábado (10), a partir de 11h, na própria praça de pedágio. Apesar da insatisfação com a concessionária, os organizadores reforçam que a manifestação será "pacífica". O movimento pede isenção na tarifa de R$ 8,20 para veículos comuns. 

Reprodução/Whatsapp/Grupo Folha
Reprodução/Whatsapp/Grupo Folha




No último final de semana, o grupo reabriu a Estrada do Ceboleiro para que os veículos passassem de um município para o outro sem pedágio. A via estava bloqueada desde 2007, quando a Viapar obteve uma liminar na Justiça. 

De acordo com o Tarifa Zero, o motorista gasta R$ 16,40 para passar duas vezes por dia no pedágio (ida e volta), o que movimenta cerca de R$ 1 milhão por mês.
Rafael Machado - Redação Bonde

31 maio 2017

Confirmado reajuste do pedágio da MG 050

A AB Nascentes das Gerais confirmou o reajuste no valor do pedágio aplicado a rodovia MG 050. Segundo a empresa a atualização está prevista no contrato de concessão da Parceria Público Privada (PPP). Ocorre anualmente a correção da inflação do período sobre o valor da tarifa de pedágio do Sistema MG-050/BR-265/BR-491, levando em conta o Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) e arredondamentos. Dos então R$5,50 o preço para o automóvel passa para R$5,80.
Os novos valores a serem praticados a partir da 0h do dia 13 de junho, sendo veículos de passeio passam a pagar R$5,80, motos e bicicleta a motor R$2,90. caminhões leves (dois eixos) R$11,60. Confira a tabela completa: 
Postado originalmente por: Minas AM/FM

Tarifa Zero quer reunião com concessionária de pedágio na BR-369

Integrantes do movimento Tarifa Zero, que pede a isenção da tarifa do pedágio situado na BR-369, entre Rolândia e Arapongas, devem enviar, até o final dessa semana, um documento à Viapar, concessionária que administra o local. A intenção é realizar uma reunião com a empresa, mas, segundo representantes do grupo, nenhuma data ainda foi marcada. No último sábado (27), o acesso da Estrada do Ceboleiro até a rua Rabilonga Vermelha foi reaberto em uma manifestação que contou com aproximadamente 300 pessoas. 

O vereador João Ardigo (PSB), de Rolândia, aposta no diálogo para sanar a insatisfação dos motoristas, que atualmente pagam R$ 8,20, enquanto caminhoneiros desembolsam R$ 7 por eixo do veículo e motociclistas, R$ 4,10 para cada viagem. Outra alternativa apresentada pelo Tarifa Zero é o aprimoramento da estrada que liga os dois municípios. O serviço poderia ser tocado pelas prefeituras. 

Um levantamento encomendado pelo movimento mostrou que, por mês, os condutores deixam R$ 1 milhão no pedágio.

Rafael Machado - Redação Bonde

30 maio 2017

Moradores de Marialva reivindicam isenção em pedágio

O movimento “Marialva Sem Tarifas” iniciou na segunda-feira (29) o cadastramento dos moradores da cidade que trabalham ou estudam em Mandaguari, no norte do estado, cidade vizinha de Marialva. O levantamento servirá de embasamento para uma futura negociação com a concessionária Viapar pela reivindicação de isenção ou desconto tarifário na praça de pedágio da BR-376.
O grupo “Marialva Sem Tarifa” surgiu após as negociações da concessionária com o município de Mandaguari. Como o pedágio fica na divisa entre as duas cidades, os marialvenses reivindicam os mesmos benefícios concedidos à cidade vizinha.

Em audiência pública realizada em abril, a Viapar propôs reduzir 75% do valor da tarifa para os veículos leves e caminhões de até três eixos emplacados em Mandaguari ou 80% para carros e motos. “Muitos moradores de Marialva passam diariamente pelo pedágio para trabalhar ou estudar em Mandaguari, Jandaia do Sul e outras cidades. Essas pessoas têm um gasto médio de R$ 500 por mês. É um valor considerável”, justifica o vereador Carlos Eduardo Siena, um dos integrantes da recém-formada comissão “O pedágio é nosso – Marialva Sem Tarifa”.
Formada por iniciativa do vereador Jefferson Garbúggio, a comissão é composta por representantes do Legislativo e do movimento civil “Marialva Sem Tarifas”. Inicialmente o foco está no cadastramento do moradores.
“Numa primeira reunião a Viapar solicitou uma estimativa dos marialvenses que trabalham ou estudam em Mandaguari para saber se é uma parcela significativa para abrir o diálogo sobre a reivindicação”, explica Siena. O cadastramento está sendo realizado na Câmara Municipal. É preciso preencher um requerimento e apresentar comprovante de residência e de utilização diária do pedágio. Outra ação programada pela comissão é a adesivagem de veículos, também iniciada ontem. Por meio da assessoria, a concessionária Viapar informou que não se manifestará sobre o assunto por enquanto.

Preços

O pedágio custa R$ 4,10 para motos e R$ 8,20 para carros ou eixos de caminhões.

Manifestações

Os moradores de Mandaguari realizaram diversas manifestações na praça de pedágio. Uma estrada alternativa foi construída para desviar do pedágio e, em abril deste ano, foi bloqueada com um muro durante a noite. Na manhã do dia 6, os integrantes do movimento “Tarifa Zero” com apoio da prefeitura municipal derrubaram o bloqueio.
A Viapar, empresa responsável pelo pedágio na região, negou ter feito o bloqueio.
Fonte:Redação com Rosângela Gris, do Metro Maringá

29 maio 2017

ANTT aprova reajuste de tarifa básica de pedágio da Ponte Rio-Niterói

SÃO PAULO (Reuters) - A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aprovou reajuste da tarifa básica de pedágio do contrato de concessão da Ponte Presidente Costa e Silva, conhecida como Ponte Rio-Niterói, explorado pela Ecoponte, da Ecorodovias ECOR3.SA>, segundo resolução publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira.
Conforme o texto, a tarifa básica de pedágio reajustada após arredondamento será de 4,10 reais para veículos de categoria 1, acima dos 4 reais cobrados anteriormente.
A resolução vigora a partir desta segunda-feira.
(Por Gabriela Mello)

26 maio 2017

Manifestação na praça do pedágio de Arapongas está marcada para amanhã (27)

O movimento denominado “Tarifa Zero”, que pede a isenção ou redução das tarifas de pedágio na praça da concessionária Viapar, localizada na BR-369, para moradores de Arapongas e de Rolândia, agendaram uma manifestação para este sábado (27).
Segundo os organizadores da ação, os araponguenses se reunirão na Rua Rabilonga Vermelha, no Parque Industrial, enquanto os moradores de Rolândia marcaram de se encontrar no Posto Costelão. Em seguida eles devem partir para o local do protesto.
Segundo o vereador de Rolândia, João Ardigo, membro da comissão do movimento, a manifestação deve ser totalmente pacífica e o trânsito não será atrapalhado pelos participantes.
Exemplo
O grupo segue o exemplo dos moradores de Mandaguari, que após muita luta e diversas manifestações, conquistaram recentemente um desconto de 80% no valor das tarifas de pedágio.


26 Maio, 2017 - as 10:55

Por : Redação Dia a Dia Arapon